Paneta assina envio de soldados e mísseis para Turquia

Os Estados Unidos vão enviar duas baterias de mísseis Patriot e 400 soldados para a Turquia como parte da força da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que tem como objetivo de proteger o território turco de ataques de mísseis da Síria, informou o Pentágono nesta sexta-feira. A câmara baixa do Parlamento alemão também aprovou hoje o envio de soldados e baterias para o território turco.

AE, Agência Estado

14 de dezembro de 2012 | 12h53

O secretário norte-americano de Defesa Leon Panetta assinou a ordem de envio nesta sexta-feira quando se deslocava do Afeganistão para a Turquia, estabelecendo o envio de 400 soldados para operarem duas baterias em locais não divulgados em território turco, relatou o porta-voz de imprensa do Pentágono, George Little, aos jornalistas que estavam a bordo do avião de Panetta.

A Câmara baixa do Parlamento alemão aprovou hoje o envio de até 400 soldados e duas baterias de mísseis Patriot para a fronteira entre Turquia e Síria, medida autorizada na semana passada pelos Ministério de Defesa e Relações Exteriores.

O governo da Holanda já havia divulgado o envio de até 360 militares e duas baterias de mísseis para o território turco. A aprovação da Alemanha e a assinatura da ordem por Panetta eleva para seis o número de baterias de mísseis que serão instalados na Turquia.

Uma série de bombas sírias tem caído em território turco desde o início do conflito no país árabe, em março de 2011. A Turquia condena o regime do presidente sírio Bashar Assad e tem apoiado os rebeldes e fornecido abrigo para refugiados sírios. Ancara teme que Assad se desespere a ponto de usar armas químicas. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
OtanTurquiaPanettaSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.