Pânico em estádio faz 88 mortos nas Filipinas

Pelo menos 88 pessoas que tentavam entrar em um estádio em Manila, nas Filipinas, para assistir a um show promovido por um programa de TV, morreram pisoteadas na manhã deste sábado. Há mais de 200 feridos. Elas faziam parte de uma multidão, a maioria gente humilde. As pessoas correram em pânico quando alguém gritou que havia uma bomba no local. A multidão tentava conseguir ingressos para assistir a um programa de televisão, que completava um ano. Para comemorar a data, anunciou a distribuição de prêmios no valor de cerca de 20 mil dólares. Apesar da tragédia, o show não foi suspenso. No momento da correria, milhares de pessoas, a maioria procedentes de localidades pobres das Filipinas, faziam fila em frente ao Ultra Stadium, em Manila, para conseguir ingressos gratuitos. O ministro da Saúde, Francisco Duque, confirmou à imprensa que o número de vítimas subiu para 88, após um balanço oficial que registrou inicialmente 66 mortos. Duque disse que o número total de mortos pode chegar a pelo menos 201.A presidente do país, Gloria Arroyo, lamentou o ocorrido e ordenou a todos os organismos governamentais prestar auxílio às famílias dos mortos e apoiar os feridos e seus familiares. A polícia segue investigando o que teria motivado a tragédia. Algumas fontes oficiais dizem que alguém na multidão gritou "bomba", e o pânico se espalhou como uma onda entre as pessoas. A maioria morreu esmagada ao tentar atravessar um estreito corredor que dá acesso ao estádio. Horas depois da tragédia, milhares de pessoas continuavam nas filas para conseguir os ingressos gratuitos, já que a cadeia de televisão ABS-CBN anunciou que o show de concursos não seria suspenso. "Queremos apenas ajudar esta gente a ficar contente e ajudar os pobres" afirmou Willie Revillame, apresentador do programa Wowowee. Na Filipinas, 40% dos habitantes vivem com dois dólares diários e até menos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.