Papa alerta contra aumento do racismo mundial

O papa João Paulo II fez hoje um alerta contra o crescente "racismo e a xenofobia no mundo". Segundo o pontífice, desde os atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos, "se produziram leis mais severas contra os imigrantes e os refugiados". Por ocasião da Jornada do Migrante e do Refugiado, que será celebrada pela Igreja em 2003, o papa divulgou um comunicado, no qual propõe aos imigrantes que reconheçam o dever de respeitar as leis, a cultura e a tradição dos países que os hospedam. "Só assim prevalecerá a harmonia social", diz a mensagem. "Depois de 11 de setembro, em razão do temor ao terrorismo, os governos começaram a promulgar leis mais severas para a a manutenção da ordem e da segurança. Foram impostos controles mais rigorosos, tornando-se mais restritivas as normas para o asilo, uma instituição de grande tradição na legislação internacional", afirma o documento. "Com freqüência, a solidariedade não é algo espontâneo. Exige a formação e o desprendimento de atitudes de isolamento, que em muitas sociedades de hoje se tornaram mais sutis e difusas", diz o pontífice. "Para enfrentar este fenômeno, a Igreja tem amplos recursos educativos e de formação de todos os níveis." Na véspera, o papa já havia lançado um apelo em favor dos imigrantes, recebendo no Vaticano 4 mil filipinos residentes em Roma. Em 14 de novembro, o pontífice havia proposto o tema dos imigrantes em seu discurso perante o Parlamento italiano e arrancou aplausos de deputados e senadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.