Papa canoniza fundador da Opus Dei

O papa João Paulo II aprovou hoje a canonização de um sacerdote espanhol fundador da Opus Dei, um índio mexicano e um místico italiano. João Paulo II, que elevou mais católicos à dignidade do altar do que qualquer outro pontífice, aprovou os milagres atribuídos à intercessão dos três, o que abre caminho para sua canonização. Os três são José María Escrivá de Balaguer, o espanhol que fundou a Opus Dei; Juan Diego, o índio que teria visto a Virgem de Guadalupe em 1531; e o Padre Pio, um frade italiano com grande quantidade de seguidores na Itália e no resto do mundo. Não se informou oficialmente as datas das canonizações.Desde que subiu ao trono de São Pedro, há 23 anos, o atual pontífice já beatificou 1.267 pessoas e canonizou 456, como parte de seu esforço para apresentar exemplos que os católicos podem seguir. Em comparação, durante os quatro séculos anteriores foram beatificados 1.310 candidatos e apenas 300 foram santificados.O processo de beatificação do fundador da Opus Dei e do Padre Pio foi rápido, se comparado à da maioria dos processos de canonização. A beatificação de Escrivá de Balaguer em 1992, apenas 17 anos após sua morte, atraiu peregrinos de 60 países a Roma. O sacerdote espanhol incentivava a participação dos leigos católicos conservadores a partir de sua vida profissional.Sabe-se que João Paulo II admira a Opus Dei, que inclui em suas fileiras o porta-voz papal Joaquín Navarro-Valls. À intercessão de Escrivá de Balaguer se atribui a cura de um médico espanhol que sofria de câncer.O Padre Pio, morto em 1968, foi beatificado há dois anos. Diz-se que um médico do sul da Itália se recuperou de uma meningite por intervenção do religioso. Os mexicanos aguardavam com ansiedade a canonização de Juan Diego, que teve a visão de uma Virgem Maria de tez morena em 12 de dezembro de 1531 em uma colina onde se erguia um santuário asteca. O Vaticano atestou que o índio havia realizado um milagre em 1990, ao responder às orações de uma mãe para que salvasse a vida de seu filho, que havia saltado do alto de um edifício e fraturado o crânio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.