Papa condena o turismo sexual

O papa João Paulo II condenou hoje o turismo sexual como um meio de explorar mulheres e crianças e apoiou os esforços para a criação de um código de ética para a indústria turística. Embora tenha elogiado o turismo pelos benefícios culturais que pode trazer, o pontífice condenou o que considerou "aberrações humilhantes, tais como a exploração das mulheres e das crianças em um comércio sexual sem escrúpulos, o que representa um escândalo intolerável". João Paulo chamou a atenção para a tentativa de criação de um Código de Ética Mundial para o Turismo, como resultado de reflexões feitas sobre o tema por uma série de países, associações do setor e pela Organização Mundial de Turismo."O documento representa um passo importante para assegurar que o turismo não seja visto apenas como uma das muitas atividades econômicas, mas também como um meio privilegiado para o desenvolvimento dos indivíduos e dos povos" disse o papa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.