Papa condena "sede de vingança" no Oriente Médio

O papa João Paulo II condenou hoje a "sede de vingança" entre israelenses e palestinos, e expressou sua preocupação com os clérigos católicos e ortodoxos que não podem sair da Basílica da Natividade, em Belém, sitiada por forças de Israel. "Quando a lógica sem misericórdia das armas domina, apenas Deus pode guiar os corações de volta aos pensamentos de paz", disse o pontífice durante sua tradicional mensagem de domingo, da janela de sua sala, que domina a Praça de São Pedro."Apenas Ele poder nos dar a energia necessária para nos libertar do ódio e da sede de vingança, e para tomar o caminho da negociação até um acordo (de paz)", acrescentou o pontífice. O Vaticano incrementou seus esforços diplomáticos nos últimos dias, expressando seu alarme pelos enfrentamento no santuário cristão da cidade de Belém, Cisjordânia. Condenou tanto o terrorismo, como a maneira como Israel trata os palestinos.Hoje, João Paulo falou também da situação em Belém e da igreja construída sobre o local onde os cristãos acreditam que Jesus Cristo nasceu. Ele expressou sua preocupação com padres, freiras e religiosos ortodoxos que permanecem no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.