Papa condena todo forma de discriminação

"Todas as formas de discriminação e constrangimento devido a questões de raça, cor, condição de vida ou religião" são contrárias à vontade de Deus e, portanto, condenadas pela Igreja, afirmou hoje o papa João Paulo II. O pontífice, de 81 anos, fez esta declaração durante uma audiência em Castelgandolfo em que recebeu o novo embaixador da Irlanda, Bernard Davemport.O papa considerou que a paz, essencialmente frágil, deve ser apoiada com boa vontade e medidas que possam construir uma sociedade justa e harmoniosa. Referindo-se à Conferência Mundial contra o Racismo que se realiza na África do Sul, o papa destacou o perigo do ressurgimento de "formas agressivas de nacionalismo e racismo" que atentam contra a dignidade humana e contra uma coexistência social pacífica e harmoniosa."A Igreja condena como contrárias à vontade de Deus todo tipo de discriminação ou constrangimento devidos a questões de raça, cor, condição de vida ou religião. Deve ser promovida uma cultura de recíproca abertura e aceitação - e isto exige iniciativas no campo da educação e da proteção legal dos direitos fundamentais de todos", afirmou. Quanto à Irlanda do Norte, o papa pediu "a todos os que estão implicados na violência" que "renunciem ao uso das armas e que iniciem o caminho do diálogo e da paz".Dubran - A União Européia concordou em se desculpar pela escravidão e colonialismo na Conferência Mundial Contra o Racismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.