Papa consagra igreja da Sagrada Familia em Barcelona

Com a bendição, patrimônio universal na Catalunha poderá abrigar missas regularmente.

BBC Brasil, BBC

07 de novembro de 2010 | 09h57

O papa Bento 16 voltou a pedir menos materialismo e mais valor à religião

O papa Bento 16 consagrou neste domingo a igreja da Sagrada Família, em Barcelona, um cartão-postal inacabado da cidade.

Durante a sua visita à capital da Catalunha, na Espanha, o papa benzeu com água benta o altar da igreja, transformando-a em basílica diante de 6,5 mil convidados.

Outros milhares de pessoas assistiram à cerimônia através de telas gigantes na rua. As orações foram acompanhadas por um órgão e três coros contando com 800 vozes.

Após a consagração, a nave principal da igreja agora poderá abrigar missas diárias.

A famosa obra de Antoni Gaudí permanece inconclusa desde a morte do arquiteto, em 1926.

A construção, que começou em 1882, segue em andamento e não deve terminar antes de 2026, no centenário de morte do arquiteto mais ilustre de Barcelona.

O templo é patrimônio universal e deve se tornar a mais alta igreja do mundo quando a torre central de 170 metros estiver pronta.

O atual arquiteto do projeto acredita que a visita do papa ajudará na arrecadação de fundos para as obras, hoje custeadas com doações e através da taxa de entrada cobrada dos visitantes.

'Beijaço'

A visita do papa à Espanha, que começou no sábado, está gerando protestos.

Neste domingo, cerca de 200 ativistas gays promoveram um "beijaço" para protestar contra as posições da igreja em relação ao homossexualismo.

"Estamos aqui para protestar contra a visita do papa e pedir mudanças na mentalidade da instituição católica, que ainda se opõe ao nosso direito de amar de formas diferentes", disse um dos manifestantes, Sergi Diaz.

É a segunda vez que Bento 16 vai ao país, e uma terceira visita já está programada para 2011.

O Vaticano vê a Espanha como um dos países mais importantes no mundo católico atualmente. Apesar de 73% dos espanhóis se dizerem católicos, apenas pouco mais de 14%, segundo pesquista recente, vão à missa regularmente.

No sábado, o pontífice visitou a cidade espanhola de Santiago de Compostela, o centro e estágio final da maior parte das peregrinações do país.

O líder da Igreja Católica criticou o que considera um "excesso de secularismo" da Espanha, país que recentemente descriminalizou o aborto e aprovou o casamento entre homossexuais.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.