Papa decide abrir arquivos sobre o Holocausto

Em um gesto que o Vaticano definiu como "excepcional", o papa João Paulo II decidiu abrir, a partir de 2003, os arquivos secretos do Vaticano sobre as relações com a Alemanha no período 1922-1939, e tornar acessíveis, o quanto antes, também os relativos ao pontificado de Pio XII - ou seja, o período 1939-1958. Segundo um comunicado divulgado hoje pela Santa Sé, a abertura iminente desta última parte dos arquivos do Vaticano é algo que o pontífice desejava com veemência "por evidentes motivos, levando em conta que durante o pontificado de Pio XII ocorreu a Segunda Guerra Mundial e, com ela, a deportação dos judeus e a tragédia da Shoah". Com esta decisão de "natureza excepcional", João Paulo II quer contribuir para colocar um fim a "injustas e ingratas especulações" sobre o suposto silêncio da Santa Sé a respeito do Holocausto judeu, ressaltou o Vaticano. Até agora, só eram acessíveis os documentos do Vaticano até 1922, o final do pontificado de Benedito XV. Os novos documentos abrangem os anos em que Eugênio Pacelli, o futuro Pio XII, era núncio na Alemanha e, a partir de 7 de fevereiro de 1930, secretário de Estado do Vaticano, com um papel-chave no acordo assinado em 1933 entre a Santa Sé e a Alemanha de Hitler. Além disso, decidiu-se publicar os dados relativos aos prisioneiros da Segunda Guerra Mundial que se encontram no arquivo secreto do Vaticano. "Com esta publicação, que se realizará ao longo dos anos em vários volumes, o que se quer é colocar de imediato à disposição dos historiadores a grande obra de caridade e assistência promovida por Pio XII junto aos numerosos prisioneiros e outras vítimas de guerra, de qualquer nação, religião ou raça", afirma o comunicado. Os historiadores saudaram unanimemente a decisão papal: "Só com a visão desses papéis será possível compreender profundamente o papel do papa (Pio XII) durante a Segunda Guerra Mundial", declarou Nicola Tranfaglia, especialista em história do regime fascista da Faculdade de Letras da Universidade de Turim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.