Papa defende católicos da China e do Iraque

Em seu tradicional discurso de Natal, o papa Bento XVI exortou católicos chineses e iraquianos a manter a fé para superar restrições religiosas e perseguições em seus países. Nas últimas semanas, Pequim desafiou a autoridade do Vaticano de nomear bispos na China e, no Iraque, católicos foram alvo de grupos ligados à Al-Qaeda. O pontífice clamou ainda pela paz na "terra onde Jesus nasceu", referindo-se ao conflito palestino-israelense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.