Papa denuncia uso da religião para justificar violência

O papa João Paulo II recebeu a visita de líderes muçulmanos, judaicos e cristãos ortodoxos do Azerbaijão, qualificou o encontro como um símbolo da tolerância religiosa e declarou que a religião nunca deveria ser usada para fins violentos. "Ninguém tem o direito de apresentar ou usar a religião como um instrumento de intolerância, como um meio de agressão, de violência, de morte", disse o pontífice aos líderes religiosos que o visitaram no Vaticano. De acordo com ele, cristãos, judeus e muçulmanos devem se unir para exigir o fim da violência e um mundo com justiça para todos. "É assim que são as religiões", enfatizou o papa. A visita dos líderes religiosos foi uma retribuição à viagem feita por João Paulo II, em 2002, ao Azerbaijão, uma ex-república soviética majoritariamente muçulmana com população católica de apenas 300 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.