Papa diz estar unido ao povo iraquiano

O papa João Paulo II disse que se sente unido ao povo iraquiano e que compreende suas aspirações por "paz, segurança e liberdade". O Vaticano divulgou as palavras pronunciadas pelo pontífice ontem à noite na presença de bispos da Igreja Católica Caldéia, entre os quais figurava o patriarca recém-eleito, o bispo de Bagdá Emmanuel-Karim Delly.O prelado, de 76 anos, cujo título oficial é o de patriarca da Babilônia, dirige cerca de um milhão de fiéis católicos caldeus.O papa disse que a situação atual configura-se "um momento grave para o Iraque e para toda a humanidade". "Desejo que levem às comunidades pastorais (no Iraque) meus pensamentos de afeto e a garantia de minhas orações. O papa sente-se unido a todos os iraquianos e conhece suas aspirações de paz, segurança e liberdade", acrescentou o pontífice.

Agencia Estado,

04 de dezembro de 2003 | 17h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.