AFP PHOTO / Guillermo MUNOZ
AFP PHOTO / Guillermo MUNOZ

Papa diz que acusação contra bispo chileno sobre pedofilia é calúnia

Juan Barros é suspeito de encobrir abusos sexuais do clero contra menores; segundo o papa, ele só se pronunciará quando houver provas

O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2018 | 16h03

IQUIQUE, CHILE - O papa Francisco defendeu nesta quinta-feira 18, o bispo chileno Juan Barros, suspeito de encobrir abusos sexuais do clero contra menores. As declarações foram dadas na última etapa de sua viagem ao Chile

+ Papa celebra primeiro casamento a bordo do avião papal

"Não há uma só prova contra, tudo é calúnia. Está claro?", afirmou o papa.

Abordado pelos jornalistas em sua chegada à cidade de Iquique, norte do Chile, última etapa de sua viagem a esse país, Francisco referiu-se pela primeira vez às acusações contra Barros, bispo de Osorno, cujas presença nas atividades do Papa no país causaram uma grande polêmica.

"No dia que me trouxerem uma prova contra o bispo Barros, aí vou falar. Não há uma única prova contra ele”, acrescentou Francisco.

Barros é acusado por vítimas do sacerdote Fernando Karadima, condenado pelo Vaticano em 2011 por abuso sexual contra menores de idade, de encobrir suas ações.

+ Comunidade indígena peruana presenteará papa Francisco com arco e flecha

Este tema delicado manchou a imagem da Igreja católica em todo mundo, e ofuscou a viagem do Papa ao Chile, onde se pede ao Vaticano atos e não apenas palavras / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.