AP
AP

Papa diz que renunciará 'pelo bem da Igreja'

Papa foi recebido nesta quarta com uma longa ovação dos fiéis durante audiência semanal no salão Paulo VI, no Vaticano

Agência Estado, com informações da Associated Press.

13 de fevereiro de 2013 | 08h57

Atualizado às 10h30.

Em sua primeira aparição pública desde que anunciou sua renúncia, o papa Bento XVI disse aos fiéis que tomou a decisão "pelo bem da Igreja". O papa foi recebido nesta quarta-feira com uma longa ovação dos fiéis, que ficaram de pé, para recebê-lo durante a audiência semanal no salão Paulo VI, no Vaticano. Muitos dos presentes tinham lágrimas nos olhos.

No início da audiência, ele repetiu, em italiano, o que disse aos cardeais em latim na segunda-feira: que ele simplesmente não tem forças para continuar. "Eu tomei esta decisão de forma livre e para o bem da Igreja". Bento XVI pediu aos fiéis que "continuem a orar pelo papa e pela igreja".

Ainda nesta quarta-feira o papa, de 85 anos, vai celebrar a missa de quarta-feira de Cinzas, que marca o início da Quaresma. Geralmente, a cerimônia é realizada na igreja no Aventino, uma das colinas de Roma, mas foi transferida de última hora para a Basílica de São Pedro. Segundo o Vaticano, a mudança foi feita para acomodar a multidão esperada para o evento, além de evitar que o pontífice faça sua costumeira procissão até a igreja.

Fraternidade - Nesta quarta-feira, Bento XVI divulgou mensagem para a Campanha da Fraternidade 2013.

Leia a íntegra da nota:

"Queridos irmãos e irmãs,

Diante de nós se abre o caminho da Quaresma, permeado de oração, penitência e caridade, que nos prepara para vivenciar e participar mais profundamente na paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. No Brasil, esta preparação tem encontrado um válido apoio e estímulo na Campanha da Fraternidade, que este ano chega à sua quinquagésima realização e se reveste já das tonalidades espirituais da XXVII Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro em julho próximo: daí o seu tema "Fraternidade e Juventude", proposto pela Conferência Episcopal Nacional com a esperança de ver multiplicada nos jovens de hoje a mesma resposta que dera a Deus o profeta Isaías: "Eis-me aqui, envia-me!"(6,8).

De bom grado associo-me a esta iniciativa quaresmal da Igreja no Brasil, enviando a todos e cada um a minha cordial saudação no Senhor, a quem confio os esforços de quantos se empenham por ajudar os jovens a tornar-se – como lhes pedi em São Paulo – "protagonistas de uma sociedade mais justa e mais fraterna inspirada no Evangelho" (Discurso aos jovens brasileiros, 10/05/2007). É que os "sinais dos tempos", na sociedade e na Igreja, surgem também através dos jovens; menosprezar estes sinais ou não os saber discernir é perder ocasiões de renovação. Se eles forem o presente, serão também o futuro. Queremos os jovens protagonistas integrados na comunidade que os acolhe, demonstrando a confiança que a Igreja deposita em cada um deles. Isto requer guias – padres, consagrados ou leigos – que permaneçam novos por dentro, mesmo que o não sejam de idade, mas capazes de fazer caminho sem impor rumos, de empatia solidária, de dar testemunho de salvação, que a fé e o seguimento de Jesus Cristo cada dia alimentam.

Por isso, convido os jovens brasileiros a buscarem sempre mais no Evangelho de Jesus o sentido da vida, a certeza de que é através da amizade com Cristo que experimentamos o que é belo e nos redime: "Agora que isto tocou os teus lábios, tua culpa está sendo tirada, teu pecado, perdoado" (Is 6,7). Desse encontro transformador, que desejo a cada jovem brasileiro, surge a plena disponibilidade de quem se deixa invadir por um Deus que salva: "Eis-me aqui, envia-me!’ aos meus coetâneos" - ajudando-lhes a descobrir a força e a beleza da fé no meio dos "desertos (espirituais) do mundo contemporâneo, em que se deve levar apenas o que é essencial: (…) o Evangelho e a fé da Igreja, dos quais os documentos do Concílio Vaticano II são uma expressão luminosa, assim como o é o Catecismo da Igreja Católica" (Homilia na abertura do Ano da Fé, 11/10/2012).

Que o Senhor conceda a todos a alegria de crer n’Ele, de crescer na sua amizade, de segui-Lo no caminho da vida e testemunhá-Lo em todas situações, para transmitir à geração seguinte a imensa riqueza e beleza da fé em Jesus Cristo. Com votos de uma Quaresma frutuosa na vida de cada brasileiro, especialmente das novas gerações, sob a proteção maternal de Nossa Senhora Aparecia, a todos concedo uma especial Bênção Apostólica

Vaticano, 8 de fevereiro de 2013".
 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.