Papa diz que união da Europa deve basear-se em suas raízes cristãs

O papa Bento XVI voltou a reivindicar nesta segunda-feira as raízes cristãs como motor central para a Europa do futuro. "Nem uma união econômica nem um mecanismo burocrático de convivência podem responder plenamente às exigências dos homens com relação à Europa", disse o Pontífice, dirigindo-se ao novo embaixador da Áustria perante o Vaticano, Martin Bolldorf, em ocasião da apresentação das cartas credenciais. "As nascentes mais profundas de um estar junto europeu, capaz de superar qualquer crise, estão mais nas convicções comuns e nos valores comuns da história e da tradição cristã e humanista do continente", sustentou Bento XVI. "Sem uma verdadeira comunhão de valores não se pode construir, em última análise, nem uma confiável comunidade de direito, que é o que as pessoas esperam", acrescentou. "Europa, respeite e proteja sempre a família e a dignidade", pediu o Papa. Disse ainda que a Áustria, apesar de ser um país pequeno, tem condições de "oferecer uma grande contribuição na defesa do espaço vital interno europeu, dos direitos intangíveis dos homens e na defesa da família tradicional, célula originária da sociedade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.