Papa e líderes firmam acordo pelo fim da escravidão

Papa e líderes firmam acordo pelo fim da escravidão

Religiosos se comprometem a lutar dentro de suas comunidades pela erradicação, até 2020, do trabalho forçado e do tráfico de pessoas

O Estado de S. Paulo

02 de dezembro de 2014 | 16h57

O papa Francisco e líderes de seis religiões do planeta assinaram, nesta terça-feira (2), um acordo contra a escravidão. No documento, os religiosos se comprometem a lutar dentro de suas comunidades pela erradicação, até 2020, do trabalho forçado e do tráfico de pessoas, considerados crimes contra a humanidade. Segundo estimativas, 35 milhões de pessoas ainda são vítimas da escravidão no mundo.

Eliminar o trabalho escravo e o tráfico humano é uma das prioridades do pontificado de Francisco. De acordo com o chefe da Academia Pontifícia de Ciências, o bispo Marcelo Sanchez Sorondo, a preocupação do papa surgiu quando ele ainda era arcebispo em Buenos Aires. "Aqui, ele teve contato com a situação das drogas, dos excluídos, e, naturalmente, a forma mais dramática de exclusão é a escravidão, que é o trabalho forçado e a prostituição", disse Sorondo, em entrevista durante a cerimônia de assinatura do documento.

O acordo foi firmado no Vaticano, onde se reuniram com o papa Francisco representantes budistas, judaicos, anglicanos, ortodoxos, hindus e muçulmanos. A iniciativa é apoiada pelo Global Freedom Network, uma organização que busca o apoio de governantes e instituições financeiras, educacionais e religiosas para a causa. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Vaticanoescravidão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.