Papa estende a mão à China em concerto histórico no Vaticano

O papa Bento 16 fez um gestode aproximação em relação à China na quarta-feira, durante umhistórico concerto realizado por uma orquestra daquele país noVaticano, o que, segundo espera a Igreja Católica, melhorará asrelações distantes mantidas pelos dois há décadas. A Orquestra Filarmônica da China apresentou o "Réquiem" deMozart e músicas do folclore chinês ao lado do Coro da Ópera deXangai, em um salão lotado da Santa Sé. Bento 16, nascido na Alemanha, parecia feliz ao ver aexecução de uma música religiosa européia por uma orquestra deum Estado oficialmente ateu e que já ridicularizou o papado emoutras oportunidades. No pronunciamento que realizou ao final da primeira partedo concerto, o líder católico não poupou elogios à populaçãochinesa e alimentou a esperança de que a música pudesse tersucesso onde a diplomacia havia fracassado. "A música e a arte em geral podem funcionar como uminstrumento privilegiado para a aproximação e o conhecimento eestima recíprocos entre diferentes populações e culturas",afirmou o papa, que também proferiu palavras de agradecimentoem chinês. Alguns diplomatas afirmam que os resultados de longo prazodesse concerto de feitio inédito poderiam ser semelhantes àdiplomacia do "pingue-pongue" realizada na década de 1970,quando jogos entre equipes esportivas levaram aoestabelecimento de relações entre os governos norte-americano echinês. Bento 16 fez da melhoria das relações com a China umaprioridade de seu papado. Em junho, o líder católico divulgouuma carta aberta dizendo que tentava restabelecer relaçõesdiplomáticas plenas com a China, rompidas dois anos depois dasubida ao poder dos comunistas, em 1949. Na China de hoje, os católicos dividem-se entre os quepertencem a uma Igreja referendada pelo Estado e uma Igrejailegal cujos membros juram lealdade ao Vaticano. "Ao recebê-los nesta noite, meus estimados artistaschineses, o papa pretende estender a mão a toda a populaçãochinesa, e em especial aos seus companheiros de cidadania quecompartilham da fé em Jesus e que estão unidos por meio de umlaço espiritual especial com o Sucessor de Pedro", disse opontífice. As relações entre a China e o Vaticano atingiram momentoscríticos nos últimos anos. Em uma dessas oportunidades, aIgreja atacou o país asiático por apontar bispos sem a sançãodo papa. Em sua mensagem a Bento 16, o maestro Yu Long descreveu anoite como um "glorioso momento" de importância histórica. Em uma entrevista concedida à Reuters antes do concerto, Yuidentificou paralelos entre a apresentação no Vaticano e aquelada Filarmônica de Nova York na Coréia do Norte, em fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.