L'Osservatore Romano/Pool Photo via AP
L'Osservatore Romano/Pool Photo via AP

Papa exorta mexicanos a não se resignarem com a violência

Pontífice celebrou missa em Michoacán, Estado mexicano aterrorizado há muitos anos por cartéis de droga

O Estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2016 | 20h11

MORÉLIA, MÉXICO -  O papa Francisco exortou nesta terça-feira, 16, os religiosos mexicanos a não se resignarem diante das ameaças do narcotráfico, da violência e da corrupção em uma missa em Michoacán, Estado mexicano aterrorizado há muitos anos por cartéis de droga.

“Que tentação pode ser apresentada em ambientes muitas vezes dominados pela violência, a corrupção e o tráfico de drogas?”, perguntou o papa em uma missa da qual participaram cerca de 20 mil padres, freiras e seminaristas. “Diante dessa realidade, podemos ser derrotados pela arma preferida do demônio: a resignação”, advertiu. 

Em seu quarto dia de viagem pelo México, o papa visitou ontem Morélia, capital de Michoacán, considerada por muito tempo um reduto do narcotráfico. “A resignação não apenas nos atemoriza, como também nos entrincheira em nossas sacristias, em uma aparente segurança”, completou.

Os sinos da catedral colonial de Morélia tocaram para saudar a chegada do papa. Os fiéis que não conseguiram entrar na missa, realizada no Estádio Venustiano Carranza, buscavam tevês em cafés e restaurantes para acompanhar o evento.

Michoacán é um dos Estados mais perigosos para os padres mexicanos, que também não escaparam da violência dos cartéis de droga. Cerca de 40 sacerdotes católicos e seminaristas foram assassinados na última década no México. 

O papa Francisco desembarcou pela manhã no Aeroporto General Francisco J. Mujica de Morélia e foi recebido por centenas de pessoas que apresentaram danças tradicionais michoacanas vestidas com as roupas típicas. Ele também colocou um chapéu “sahuayo” (típico de fazendeiro mexicano) por alguns instantes.

Um grande palco foi montado no centro do estádio com uma imagem de Nossa Senhora da Saúde, padroeira de Michoacán, de onde o pontífice celebrou a missa.

À tarde, Francisco visitou a Catedral de Morélia - onde milhares de pessoas se acomodaram nas cadeiras instaladas na praça para ver Francisco passar - e depois se encontrou com cerca de 40 mil jovens no Estádio José María Morelos e Pavón.

Imigração. A visita do papa ao México terminará hoje em Ciudad Juárez, no Estado de Chihuahua, região fronteiriça com os Estados Unidos, onde Francisco visitará um centro penitenciário, se encontrará com trabalhadores e celebrará uma missa na fronteira com os território americano.

Nos primeiros dias de sua visita ao país, Francisco também denunciou o narcotráfico e a corrupção em mensagens destinadas à classe política e aos bispos. Ele também pediu às autoridades do México que garantam a “segurança efetiva” de seus cidadãos. / EFE e AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Papa FranciscoMéxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.