Papa faz apelo por tolerância religiosa no Casaquistão

O papa João Paulo II fez um forte apelo este domingo para que cristãos e muçulmanos trabalhem juntos para evitar novos derramamentos de sangue e discórdias após os ataques terroristas aos Estados Unidos, em 11 de setembro. ?Peço a Deus que mantenha o mundo em paz?, disse durante a oração especial com a qual encerrou a missa ao ar livre no Casaquistão. A viagem do papa ao Casaquistão é considerada particularmente significativa porque o país se encontra na região de um possível ataque retaliatório dos Estados Unidos ao Afeganistão.?Desejo fazer um sério apelo a todos, cristãos e seguidores de outras religiões, para que trabalhemos juntos na construção de um mundo sem violência, um mundo com amor à vida e progresso da justiça e da solidariedade?, disse o papa. ?Não devemos deixar tal acontecimento nos conduza a um aprofundamento da discórdia. A religião nunca deve ser usada como motivo para conflitos.?Este foi a primeira referência pública feita elo papa aos ataques terroristas desde que chegou ao Casaquistão, ontem. João Paulo II ficará no país, cuja população se divide em uma minoria cristã e muçulmanos e onde a coexistência das duas religiões é considerada exemplarmente pacífica, por quatro dias. O porta-voz do papa, Joaquin Navarro-Valls, disse que João Paulo II apóia medidas que ?levem a justiça aos responsáveis?, mas negou-se a especificar quais seriam essas medidas. O papa fez seu apelo a cerca de 50 mil pessoas reunidas para a missa falando ora em russo, ora em inglês, para dar ao seu discurso maior ressonância internacional, e encorajou os fiéis a rezarem por um mundo no qual não há ?lugar para o ódio, a discriminação e a violência?. ?Deste lugar, eu peço a cristãos e muçulmanos que façam uma prece profunda ao Único e Onipotente Deus de quem somos todos filhos, para que o bem supremo da paz reine no mundo?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.