AP
AP

Papa Francisco pede que paróquias recebam refugiados

Pontífice anunciou que o Vaticano vai abrigar duas famílias de refugiados que se encontram ‘fugindo da morte’

O Estado de S. Paulo

06 Setembro 2015 | 10h05

O Vaticano vai abrigar duas famílias de refugiados que se encontram "fugindo da morte" provocada pela guerra ou pela fome, anunciou o papa Francisco neste domingo. Ele também convocou paróquias católicas, conventos e mosteiros em toda a Europa a fazer o mesmo.

Francisco citou Madre Teresa, a freira que nasceu na Europa e teve atuação importante com a população mais pobre na Índia, aos fazer o seu apelo a peregrinos e turistas que estavam na Praça de São Pedro. "Diante da tragédia de dezenas de milhares de refugiados que fogem da morte pela guerra e pela fome, e que estão em um caminho em direção a uma esperança de vida, o Evangelho chama-nos a acolher os menos favorecidos e mais abandonados, para dar-lhes uma esperança concreta", disse o Papa. Não é o suficiente dizer "tenha coragem, entre lá", acrescentou.

"Que cada paróquia, cada comunidade religiosa, cada mosteiro, cada santuário na Europa acolha uma família, começando com a minha diocese de Roma", disse Francisco. Ele também pediu aos bispos em toda a Europa a atender seu chamado e "expressar o Evangelho em termos concretos, ao adotar uma família de refugiados".

O Papa Francisco informou que duas das paróquias do Vaticano vão acolher duas famílias de refugiados, mas não deu maiores detalhes sobre a iniciativa. Um porta-voz do Vaticano, reverendo Ciro Benedettini, disse que o Vaticano vai agora decidir quais famílias serão abrigadas.

Milhares de imigrantes refugiados têm chegado na Alemanha e na Áustria durante o fim de semana, depois de ficarem presos na Hungria por um dia inteiro. (Associated Press)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.