EFE/ Osservatore Romano/handout
EFE/ Osservatore Romano/handout

Papa leiloará carro esportivo de luxo para financiar projetos humanitários

Dinheiro arrecadado com venda de edição especial da Lamborghini Huracán, na cor branca e com detalhes em ouro, além da assinatura e da bênção de Francisco, ajudará católicos no Iraque, vítimas de redes de prostituição e associações na África

O Estado de S.Paulo

15 Novembro 2017 | 14h17

VATICANO - A fabricante italiana de automóveis esportivos de luxo Lamborghini presenteou nesta quarta-feira, 15, o papa Francisco com uma edição especial do modelo Huracán, que será leiloado para financiar quatro projetos humanitários, informou o Vaticano.

Papa Francisco teme que armas nucleares caiam nas mãos de terroristas

O carro, de cor branca, com detalhes em ouro, nas cores da bandeira do Vaticano, foi entregue antes da audiência com líder da Igreja Católica, que o abençoou e assinou o capô diante de diretores da marca presentes no Vaticano.

O leilão será realizado pela casa Sotheby's e o valor arrecadado irá, por determinação do papa Francisco, para a fundação pontifícia "Ajuda à Igreja que Sofre".

O Papa determinou que o dinheiro arrecadado seja usado para financiar um projeto de reconstrução de residências, locais de culto e infraestrutura pública na Província de Nínive, no Iraque, a fim de ajudar os cristãos que fugiram da guerra a recuperar "suas raízes e sua dignidade", indicou a Santa Sé.

O dinheiro deve permitir que 12 mil pessoas, sírio-católicas, sírio-ortodoxas e caldeios, possam voltar para a região, antes dominada por combatentes do Estado Islâmico.

Além disso, uma parte do dinheiro obtido com o leilão do carro, cujo o preço de mercado é de aproximadamente € 200 mil (R$ 771,6 mil), financiará uma associação italiana que ajuda vítimas de redes de prostituição, bem como duas associações italianas atuantes na África, entre elas um grupo internacional de cirurgiões.

O Papa, que costuma receber presentes curiosos, já havia leiloado, com fins de caridade, uma motocicleta Harley Davidson. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.