Papa inicia dia de jejum pela paz no mundo

O papa João Paulo II dedicou-se a um dia de jejum e oração nesta sexta-feira para pedir pela paz numa época de guerra e conflitos. O pontífice escolheu o fim do período muçulmano do Ramadã para o jejum de um dia, dizendo esperar que isto poderia ajudar a estabelecer um clima de "compreensão entre cristãos e muçulmanos, mais do que nunca necessário nos dias atuais, para que, juntos, sejam construtores da justiça e da paz".João Paulo convidou os católicos "assim como... os crentes de outras religiões, particularmente judeus e muçulmanos, assim como muitas pessoas de boa fé" a se juntarem a ele. Muitas igrejas na Itália responderam ao seu apelo, convocando fiéis para vigílias de oração e outras cerimônias e recolhendo doações. Muitos políticos disseram que se juntariam ao jejum.O Santo Padre apelou às pessoas para que doassem o quanto quisessem do que gastariam em comida nesta sexta-feira às vítimas da guerra e do terrorismo. O Vaticano não marcou nenhuma cerimônia especial, dizendo que Sua Santidade jejuaria privadamente ao mesmo tempo que atenderia a seus compromissos. "Ele é muito discreto", disse o porta-voz do Vaticano, Joaquín Navarro-Valls.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.