Papa não-europeu seria o primeiro em 1.300 anos

Após o choque com o anúncio da renúncia do Papa Bento XVI nesta segunda-feira, a primeira em 600 anos, começa a especulação de quem será seu sucessor e muitos acreditam que o novo Supremo Pontífice poderá ser o primeiro não-europeu a assumir o posto em cerca de 1.300 anos. "É possível vermos um papa asiático, africano, sul-americano, pois a igreja está crescendo muito nessas áreas", afirmou o padre Aaron Kuhn, dos Estados Unidos.

LUCIANA ANTONELLO XAVIER, Agência Estado

11 de fevereiro de 2013 | 21h00

A Igreja Católica já teve papas de fora da Europa, da África (Victor I, Miltiades e Gelasius) e do Sudoeste Asiático, mais especificamente da Síria (Sissinnius, Constantinus e o último teria sido Gregorius III, que governou de 731 a 741), mas nunca das Américas.

No ano passado, Bento XVI nomeou seis cardeais não-europeus para fazer parte do Corpo da Igreja que irá escolher seu sucessor, alegando que isso mostrava a diversidade da Igreja Católica. As informações são do site da AlJazeera, CBS e agências internacionais.

Tudo o que sabemos sobre:
papaBento XVIEuropasucessãoigreja

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.