Papa pede a vice de Bush que trabalhe pela paz

Num encontro entre um forte opositor da guerra no Iraque e um de seus arquitetos, o papa João Paulo II disse ao vice-presidente Dick Cheney que os Estados Unidos deveriam trabalhar pela paz e a cooperação internacional. O encontro, no último dia de uma viagem de cinco dias de Cheney à Europa, foi a reunião de mais alto nível entre os EUA e o Vaticano desde a guerra do Iraque."Encorajo você e seus compatriotas a trabalharem, interna e externamente, pelo aumento da cooperação e solidariedade internacionais no serviço daquela paz que é a mais profunda aspiração de todos os homens e mulheres", disse o papa a Cheney. As mãos do pontífice, que sofre do mal de Parkinson, tremiam enquanto ele lia a breve saudação. Mas o papa de 83 anos estava alerta e falou com voz clara."O povo americano sempre estimou os valores fundamentais da liberdade, justiça e igualdade", lembrou o papa. "Num mundo marcado pelo conflito, injustiça e divisão, a família humana precisa acalentar esses valores em sua busca pela unidade, paz e respeito pela dignidade de todos".Cheney não fez declarações públicas. Depois da reunião de 15 minutos na biblioteca papal, o vice-presidente voou para a Base Aérea de Aviano, nordeste da Itália, para saudar tropas americanas antes de voltar para Washington.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.