Papa pede 'diálogo sincero' de paz em Jerusalém

O papa Bento XVI levou hoje sua mensagem de paz a Jerusalém, um dos locais mais disputados no conflito entre israelenses e palestinos. O pontífice pediu que ambas as partes mantenham "um diálogo sincero, com o objetivo de construir um mundo de justiça e de paz". Em seu segundo dia de peregrinação pela Terra Santa, o papa visitou a mesquita de Al-Aqsa e a de Omar, onde os muçulmanos acreditam que o profeta Maomé subiu ao céu. Também visitou o Muro das Lamentações, último remanescente do antigo Templo Judeu de Jerusalém.

AE-AP, Agencia Estado

12 de maio de 2009 | 10h25

Há uma disputa pela posse desse complexo na parte mais alta de uma colina, um local sagrado para os muçulmanos, que o chamam de Santuário Nobre, e para os judeus, que o nomeiam Monte do Templo. Já houve confrontos no passado pela área. A disputa por Jerusalém é um dos temas mais espinhosos nos 15 anos de história das negociações entre israelenses e palestinos. Bento pediu que os "homens e mulheres de boa vontade" trabalhem para "superar os mal-entendidos e os conflitos do passado". O papa fez as declarações em um encontro com o mais graduado clérigo de Jerusalém, Mohammed Hussein.

Antes, o papa visitou a Mesquita de Omar, local mais sagrado para os muçulmanos em Jerusalém, parte de um complexo considerado a terceira área mais sagrada para os muçulmanos, atrás de Meca e Medina. O pontífice tirou os sapatos antes de entrar, em sinal de respeito. Também seguindo as tradições, o papa introduziu um bilhete entre os espaços do Muro das Lamentações. No texto, o papa pediu "ao Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó" que "escute o clamor dos aflitos, dos atemorizados, dos desconsolados; que envie sua paz sobre esta Terra Santa, sobre o Oriente Médio, sobre toda a família humana".

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelTerra Santapapa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.