Papa pede líderes muçulmanos condenem atos de violência

Papa pede líderes muçulmanos condenem atos de violência

O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2014 | 18h45

O papa Francisco pediu que líderes muçulmanos condenem os atos de "violência bárbara" que têm sido cometidos em nome do Islã contra minorias religiosas no Iraque e na Síria. Ele se reuniu com políticos turcos e autoridades religiosas no início da sua segunda viagem ao Oriente Médio neste ano.

O pontífice reafirmou que a força militar foi justificada para conter o avanço do grupo extremista Estado Islâmico e pediu mais diálogo entre cristãos, muçulmanos e pessoas de todas as fés para acabar com o fundamentalismo. "Como líderes religiosos, somos obrigados a denunciar todas as violações contra dignidade humana e direitos humanos", disse Francisco a Mehmet Görmez, principal clérigo da Turquia e a outras autoridades religiosas presentes na reunião. "Qualquer tipo de violência que procura justificativa religiosa merece a condenação mais forte porque o onipotente é o Deus da vida e da paz", acrescentou.

O pontífice visita a Turquia num momento sensível para o país muçulmano, que abriga 1,6 milhão de refugiados e estuda como lidar com o grupo Estado Islâmico, na medida em que seus combatentes já tomaram consideráveis territórios na Síria e no Iraque, do outro lado da fronteira turca. A visita de três dias dará também a Francisco uma chance de se aproximar da pequena comunidade cristã turca - menos de 1% dos turcos são católicos - e visitar o líder espiritual dos cristãos ortodoxos, o patriarca ecumênico Bartolomeu I.

Francisco vai visitar dois dos mais importantes locais de Istambul, o complexo de Santa Sofia (Hagia Sofia) - a igreja bizantina que foi transformada numa mesquita e, atualmente, é um museu - e a mesquita do sultão Ahmed, o mais importante local de culto muçulmano da Turquia.

A segurança foi intensificada. Meios de comunicação turcos informam que cerca de 2.700 policiais foram destacados somente em Ancara para proteger o pontífice. Um tribunal emitiu uma ordem que permite à polícia parar e vistoriar carros e realizar a verificação de identidade aleatoriamente ao longo das rotas por onde o papa vai passar.

Na véspera da viagem, Francisco repetiu que é legítimo usar a força para conter o avanço do Estado Islâmico, mas apenas com o endosso da comunidade internacional. Perguntado se o diálogo é possível com um grupo que ataca minorias religiosas, Francisco declarou que "talvez não possamos ter um diálogo, mas nunca devemos fechar a porta".

O papa envolve-se em certa controvérsia por ser recebido, nesta sexta-feira, pelo presidente turco Recep Tayyip Erdogan em seu novo palácio em Ancara, um complexo de 1.000 quartos localizado em terras agrícolas e florestais que ofusca a Casa Branca e outros palácios europeus.

Francisco, cujo estilo espartano de vida é bem conhecido, passará a tarde desta sexta-feira no palácio de US$ 620 milhões, reunindo-se com o presidente e o primeiro-ministro e discursando para dignitários turcos e para o corpo diplomático.

O Vaticano não atendeu ao pedido do escritório de Ancara da Câmara Turca dos Arquitetos para que o papa boicotasse a reunião, afirmando que Francisco será recebido onde quer que o governo decida recebê-lo. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Turquiapapaatualiza 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.