EFE
EFE

Papa pede Natal de esperança e paz no Oriente Médio

O papa também agradeceu àqueles que de forma corajosa ajudam as pessoas infectadas pelo ebola na África

O Estado de S. Paulo

25 de dezembro de 2014 | 11h29

Em sua tradicional mensagem de Natal, o papa Francisco falou sobre os que choram em todo mundo nesta época do ano, destacando os refugiados, reféns e outras pessoas que sofrem no Oriente Médio, na África e na Ucrânia.

A angústia pelas crianças que são vítimas de violência, incluindo o recente ataque terrorista contra uma escola no Paquistão, marcou a mensagem do pontífice nesta quinta-feira, feita da sacada da Basílica de São Pedro.

Dezenas de milhares de católicos e turistas lotaram a praça de São Pedro para ouvir Francisco fazer o discurso "Urbi et Orbi" ("à cidade de Roma e ao mundo"). "Na verdade há muitas lágrimas neste Natal", disse Francisco após destacar toda a dor e sofrimento que existem no mundo.

O papa lamentou o fato de haver uma grande quantidade de crianças que são "objeto de comércio e tráfico" ou são forçadas a se transformar em soldados.

Francisco começou sua análise dos locais mais problemáticos do mundo lembrando da perseguição as antigas comunidades cristãs no Iraque e na Síria, além de pessoas de outros grupos étnicos e religiosos.

"Que o Natal possa levar esperança a eles", afirmou o pontífice.

Numa referência aos refugiados e exilados, ele declarou, "que a indiferença possa se transformar na necessidade de ajuda humanitária para superar os rigores do inverno".

O papa também agradeceu àqueles que de forma corajosa ajudam as pessoas infectadas pelo ebola na África. Ele também rezou pelas pessoas de países ricos, que estão "imersas no mundanismo e na indiferença" para que seus corações sejam abrandados. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.