Papa pede paz na véspera do encontro mundial de religiões

O papa João Paulo II, preocupado com o impacto dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, pediu nesta quarta-feira aos fiéis que rezem para que o encontro mundial de líderes religiosos em Assis possa contribuir para uma "paz autêntica e duradoura". Representantes de outras 11 religiões se juntarão aos católicos romanos e cristãos de outras vertentes em Assis na quinta-feira, em resposta ao apelo do pontífice para que a religião nunca se torne motivo de um conflito. Entre esses representantes, estarão muçulmanos, judeus, budistas, hindus, xintoístas e os chefes religiosos das crenças animistas africanas. Falando hoje na audiência geral das quartas-feiras no Vaticano, o papa ressaltou a necessidade de "justiça e perdão" e expressou a esperança de que o encontro possa ser uma real contribuição para a verdadeira paz. Na tradicional colina de Assis, berço de São Francisco, já foram realizados dois encontros anteriores convocados por João Paulo: uma jornada de jejum e oração contra a guerra nuclear em 1986 e uma marcha para a paz no Bálcãs em 1993.

Agencia Estado,

23 Janeiro 2002 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.