Papa pede que líderes considerem a segurança dos líbios

O papa Bento XVI fez um apelo, na tradicional bênção de domingo, a líderes militares e políticos para que considerem a segurança dos civis da Líbia e garantam que eles tenham acesso a ajuda de emergência, em seus primeiros comentários sobre o conflito. O papa disse que as hostilidades provocaram nele "grande medo e alarme" e acrescentou que estava rezando pela paz.

AE, Agência Estado

20 de março de 2011 | 09h30

O Vaticano tem se mantido extraordinariamente silente sobre as crescentes tensões na Líbia e a decisão das Nações Unidas de autorizar a força militar para paralisar os ataques de Muamar Kadafi à oposição no país. Há oito anos, o papa João Paulo II e destacados cardeais do Vaticano manifestaram oposição enfática à ação militar liderada pelos EUA na sequência da guerra do Iraque. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
VaticanopapaLíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.