Papa pede que não se desista da paz no Oriente Médio

O papa Bento XVI pediu a todas as partes envolvidas no conflito no Oriente Médio que não desistam da paz e lançou um apelo em favor do respeito à liberdade religiosa. Os comentários do pontífice foram feitos neste domingo, no encerramento de um sínodo de bispos da região no Vaticano.

Agência Estado

24 de outubro de 2010 | 15h12

"Durante muito tempo, o Oriente Médio foi vítima de conflitos, guerras, violência e terrorismo. A paz, que é um presente de Deus, também é o resultado dos esforços dos homens de boa vontade, assim como de instituições nacionais e internacionais", declarou Bento XVI na basílica de São Pedro.

"Nós não devemos nunca simplesmente nos resignarmos à ausência de paz. A paz é possível. A paz é urgente. A paz é uma condição essencial à dignidade do homem e à dignidade da sociedade", prosseguiu o papa. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
VaticanopapaOriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.