Papa pede saída pacífica para conflito em Mianmá

Apelo foi feito depois de um grupo de dissidentes ter solicitado ao papa que se manifestasse

Reuters

30 de setembro de 2007 | 12h42

O papa Bento 16 pediu neste domingo, 30, uma solução pacífica para os incidentes "extremamente graves" em Mianmá e expressou sua solidariedade com a população do país durante o "doloroso" processo.  Enviado de paz da ONU encontra líder birmanesa presa O apelo do pontífice foi feito depois de um grupo de dissidentes, incluindo um líder de oposição exilado, ter solicitado ao papa que se manifestasse, durante cerimônia neste domingo, sobre a repressão brutal aos protestos no país, conhecido antes como Birmânia.   Segundo a mídia estatal birmanesa, morreram ao menos dez pessoas na repressão aos protestos contra o regime militar que governa o país há 45 anos.  "Eu acompanho os incidentes extremamente graves ocorridos em Mianmar neste dias que quero expressar minha proximidade espiritual com esta população querida neste processo doloroso pelo qual está passando", disse o papa, dirigindo-se aos fiéis em sua residência de veraneio nos arredores de Roma."Ao mesmo tempo em que ofereço minhas orações intensas e convido toda a Igreja a fazer o mesmo, sinceramente, eu espero que uma solução pacífica seja encontrada, pelo bem do país."

Tudo o que sabemos sobre:
mianmá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.