Papa pede solução para "situação desumana" em Belém

O papa João Paulo II pediu hoje uma solução para a "situação desumana" das pessoas cercadas na Basílica da Natividade em Belém e pela paz em toda a região. "Meu pensamento está sempre voltado para a Basílica da Natividade em Belém, onde a comunidade religiosa e numerosas outras pessoas continuam sofrendo o cerco, que se prolonga há 22 dias", disse o pontífice no fim da audiência geral das quartas-feiras. "Suas condições, já dramáticas por falta de água e alimentos, se agravaram ultimamente com a interrupção das linhas telefônicas", acrescentou João Paulo II perante os 20.000 fiéis reunidos na Praça de São Pedro."Continuamos rezando ao Senhor para que se encontre finalmente uma solução a esta desumana situação e se chegue, com a participação de todos, à desejada paz nesta região tão profundamente querida por todos os crentes", concluiu o pontífice.Outra intervenção sobre a situação na basílica foi feita também hoje pelo padre David Jaeger, porta-voz da irmandade guardiã da Terra Santa, segundo o qual "quem for responsável por um prolomgamento inútil deste tormento será julgado severamente pela história". "Quem, ao contrário, se mostrar magnânimo, generoso e clarividente merecerá o apreço das gerações futuras", acrescentou o padre Jaeger. A segunda sessão de negociações entre israelenses e palestinos não resultou ontem em nenhum acordo "para resolver a crise que aflige a Natividade, incluindo o convento franciscano", escreveu hoje a Fides, a agência do ministério do Vaticano para as Missões, segundo a qual as delegações marcaram novo encontro para hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.