Papa preside mas não celebra missa do Crisma

O papa João Paulo II presidiu hoje a Missa do Crisma, tradicional da quinta-feira da Semana Santa, enquanto o cardeal colombiano Darío Castrillón Hoyos foi o encarregado de celebrar a parte da consagração eucarística.A renúncia a oficiar a consagração, que o mestre de cerimônias pontifício, monsenhor Pedro Marini, já havia adiantado ontem, fez com que o papa - como ocorreu no Domingo de Ramos - celebrasse pessoalmente apenas a parte da liturgia dedicada à Palavra.Ficou por conta de Hoyos, o cardeal colombiano que é prefeito da Congregação para o Clero, consagrar a Eucaristia - parte da missa que exige maiores deslocamentos.João Paulo II, que completará 82 anos em maio, inovou de algum modo a liturgia. Não só celebrou a parte da missa dedicada à Palavra, comentando o Evangelho, como também participou da parte eucarística convidando os fiéis presentes a comungarem. Também foi o papa quem dirigiu as orações após a comunhão.O pontífice participou de todas as celebrações que abrem o tríduo pascal (exercícios de devoção que se praticam durante três dias) de uma cadeira colocada sobre um estrado precedido por dois degraus ao lado do altar, e percorreu a nave da Basílica de São Pedro em uma cadeira móvel.O papa retornará ainda hoje à basílica para a missa que introduz a cerimônia do Lavapés, em que serão lavados os pés de 12 sacerdotes da diocese de Roma. Pela primeira vez ao longo de seu pontificado, João Paulo se limitará a presidir a cerimônia, devendo ser substituído na lavagem dos pés pelo cardeal Angelo Sodano, secretário de Estado do Vaticano. Também é provável que a missa que lembra a última Ceia de Cristo e recorda a instituição da Eucaristia seja celebrada por Sodano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.