Papa proclama quatro novos santos

O papa Bento XVI proclamouneste domingo quatro novos santos, entre eles o mexicano Rafael GuízarValencia, vítima da perseguição anticlerical do século XX e que erachamado de "Bispo dos pobres", como o sumo-pontífice lembrou. Durante a missa de canonização presidida por Bento XVI econcelebrada por 38 oficiantes, o papa disse: "Santo é aquele homeme aquela mulher que, respondendo com alegria e generosidade aochamado de Cristo, deixa tudo para segui-lo". De Rafael Guízar Valencia, que foi bispo de Veracruz, "na queridanação mexicana", o papa explicou, durante a cerimônia debeatificação, que foi "um exemplo de quem deixou tudo para seguir aJesus". "Este santo foi fiel à palavra divina, viva e eficaz, que penetrano mais fundo do espírito. Imitando Cristo pobre, desprendeu-se deseus bens e nunca aceitou presentes dos poderosos", ou os passavaadiante em seguida. Por suas ações, "recebeu cem vezes mais", disse Bento XVI,acrescentando que, "assim, pôde ajudar os pobres, até em meio aperseguições sem descanso". O papa destacou que "sua caridade,vivida em grau heróico, fez com que lhe chamassem de ´Bispo dosPobres´". Segundo o papa, o novo santo "foi um incansável pregador demissões populares, o modo mais adequado de evangelizar as pessoas naÉpoca". Bento XVI explicou que uma das prioridades de Guízar Valencia foia formação dos sacerdotes, e espera que seu exemplo sirva "aos irmãosbispos e sacerdotes para considerarem fundamental nos programaspastorais o espírito de pobreza e de evangelização, o fomento dasvocações sacerdotais e religiosas". A canonização foi realizada na Praça de São Pedro, onde milharesde fiéis se reuniram, entre eles cerca de 7 mil mexicanos, segundo opadre Rafael González, um dos defensores da canonização de Guízar. Mas também havia milhares de italianos, já que Bento XVIproclamou santos Filippo Smaldone (1848-1923), fundador daCongregação das Irmãs Salesianas dos Sagrados Corações, e RosaVenerini (1656-1728), fundadora das Mestras Pias Venerini. Junto com eles havia paroquianos franceses e americanos, queassistiram à canonização da freira francesa Teodora Guerin(1798-1856), fundadora da Congregação das Irmãs da Providência deSanta Maria "ad Nemus". "Seus nomes serão recordados para sempre", disse Bento XVI. Guízar Valencia nasceu em 26 de abril de 1878 em Cotija de La Paz(Michoacán, México) e sua figura simboliza o anticlericalismo nopaís no final do século XIX e início do XX. Perseguido, refugiado nos Estados Unidos, na Guatemala e em Cuba,onde estava quando foi nomeado bispo de Veracruz, Guízar Valenciatinha uma intensa e arriscada atividade pastoral, disse o papa JoãoPaulo II em 25 de janeiro de 1995, quando o proclamou beato. Em um dia agradável em Roma, a cerimônia de mais de duas horasocorreu entre os aplausos dos fiéis que podiam admirar grandesretratos dos novos santos pendurados na Basílica de São Pedro. Ao término da cerimônia, Bento XVI cumprimentou os peregrinosmexicanos que vieram para a canonização de Guízar Valência. "Que seu exemplo ajude os fiéis católicos a continuarem fiéis ecoerentes pelo caminho de Cristo, testemunhando a toda a sociedade abeleza de seu amor e de sua paz. Feliz festa para todos!", disse. Entre os mexicanos que assistiram ao ato, havia uma delegaçãooficial liderada pelo ministro do Exterior, Luis ErnestoDerbez Bautista, e da qual fazia parte o embaixador na Santa Sé,Luis Felipe Bravo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.