Papa quer que jovens se casem "para a vida inteira"

O Papa afirmou hoje que o casamento entre um homem e uma mulher está sendo progressivamente ofuscado e que, por causa da cultura materialista, é cada vez mais difícil para os jovens se casar e ter filhos, e que por isso é necessário ajudá-los a dizer o sim definitivo. Bento XVI fez estas manifestações em discurso para um grupo de bispos alemães que visitavam o Vaticano. Em um longo discurso, o Papa destacou principalmente a juventude, o casamento e a família. Sobre os jovens, disse que vivem em uma cultura secularizada, orientada totalmente para o materialismo, "na qual Deus não está presente", mas que segundo pôde observar nas diferentes jornadas mundiais da juventude e em outros eventos, os jovens "esperam Deus". Sobre o casamento e a família, afirmou que o primeiro, "como foi estabelecido na criação e do qual nos fala a Bíblia", ou seja, entre um homem e uma mulher, "está sendo progressivamente ofuscado". Bento XVI denunciou que o homem tenta construir um mundo novo ao seu redor "e se definir como quer, em virtude de uma liberdade vazia, e assim os pilares nos quais sua existência e a sociedade se apóiam começam a cambalear". "Para os jovens é difícil se unir definitivamente, eles têm medo da união para sempre, que lhes parece impossível e contrária a sua liberdade. Dessa maneira fica cada vez mais difícil ter filhos e oferecer a eles esse espaço de crescimento durável e de amadurecimento que só uma família baseada no casamento pode oferecer", manifestou o Papa. Bento XVI acrescentou que frente a esta situação é muito importante ajudar os jovens a dizer o "sim definitivo", que não está em contradição - ressaltou - com a liberdade. O Pontífice assinalou também que "na paciência de estar juntos para a vida inteira, o amor conjugal alcança sua verdadeira maturidade" e que "nesse ambiente de amor para toda a vida os filhos aprendem a viver e a amar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.