Papa recebe Abbas e elogia seus esforços em busca da paz

O Vaticano declarou nesta terça-feira, 24, que aprecia os esforços para retomar os acordos de paz entre Israel e os palestinos, depois que o papa Bento XVI se encontrou com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas (Abu Mazen).O papa recebeu Abbas e lembrou das dificuldades que os católicos encontram no Oriente Médio.A visita do chefe palestino ocorre em um dia em que o grupo islâmico Hamas lançou foguetes e morteiros contra Israel e anunciou um cessar-fogo que durou cinco meses. O grupo defendeu na última semana o seqüestro de soldados israelenses para conseguir sua troca por presos palestinos e exortou seus milicianos a retomar a violência contra o Estado judeu em resposta às operações militares do fim de semana na Cisjordânia e em Gaza, nas quais nove palestinos morreram.O Vaticano anunciou em comunicado que durante uma reunião "cordial" se falou da situação interna dos palestinos, sem citar o grupo insurgente, fazendo referência "às dificuldades que os católicos encontram e ao valor de sua contribuição nesta sociedade".Segundo a nota, Bento XVI agradeceu Abbas por "seu empenho, graças também à ajuda da comunidade internacional, para o relançamento do processo de paz entre israelenses e palestinos".Na reunião, que durou 12 minutos, o Papa e Abbas fizeram "uma revisão da situação no Oriente Médio", assinalou o Vaticano.O presidente da ANP também se reuniu com o secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone, e com o secretário de Relações com os Estados, Dominique Mamberti.Abbas já havia se reunido com Bento XVI em 3 de dezembro de 2005. Naquela ocasião, convidou o Pontífice a visitar Jerusalém e Belém e o presenteou com um passaporte especial emitido pela ANP.O líder palestino chegou na última segunda a Roma para uma visita oficial e nesta manhã se reuniu com o presidente da República italiana, Giorgio Napolitano, e com o ministro de Assuntos Exteriores, Massimo D´Alema.Ainda nesta terça, Abbas se reunirá com o primeiro-ministro italiano, Romano Prodi. Nos próximos dias, o chefe da ANP deverá visitar as autoridades da França, Suécia, Polônia, Bulgária e Suíça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.