Papa reconhecerá milagre de Madre Teresa

O papa João Paulo II assinará na sexta-feira o decreto de reconhecimento oficial da autenticidade de um milagre atribuído a Madre Teresa de Calcutá, a célebre missionária falecida há cinco anos. Trata-se da última etapa antes da beatificação da religiosa albanesa, prevista para maio do próximo ano. Em presença do pontífice, estarão reunidos no Vaticano cerca de 20 cardeais e bispos membros da Congregação para a Causa dos Santos. À cerimônia também estará presente a irmã Nirmala, sucessora de Madre Teresa como superiora da Ordem das Missionárias da Caridade. O milagre atribuído à freira albanesa, aprovado em outubro passado pela Congregação para a Causa dos Santos, refere-se à cura, em 1998, de Monika Besra, uma mulher de 30 anos, de Calcutá. Ela sofria de câncer abdominal, com tantas metástases que a impediam de ser operada. O caráter inexplicável desta cura obteve reconhecimento unânime tanto por parte da comissão médica como da comissão de teólogos. Em outubro passado, no entanto, dois médicos indianos haviam afirmado que o Vaticano se equivocava ao atribuir esta cura a um milagre de Madre Teresa. A senhora Besra, afirmaram estão, "curou-se do câncer graças ao tratamento e aos medicamentos que lhe foram oferecidos por um hospital do estado indiano de Bengala". O "milagre" foi confirmado por Monika Besra em uma entrevista publicada pelo semanário católico italiano Famiglia Cristiana. As fontes do Vaticano afirmaram hoje que a controvérsia suscitada pelos dois médicos indianos, que puseram em dúvida o milagre atribuído a Madre Teresa, havia sido "superada".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.