Papa relembra sofrimento de Cristo em Roma

O papa Bento XVI presidiu os ritos desta Sexta-Feira Santa na Basílica de São Pedro umas horas antes de participar da legendária "Via Dolorosa" do Coliseu de Roma, para relembrar o sofrimento de Jesus Cristo e sua morte na cruz. "Oremos", disse em latim ao começar a missa ao final da tarde. O pontífice, que cumprirá 79 anos no próximo domingo, rezou de joelhos na basílica, ao que imitaram cardeais, outros clérigos e milhares de fiéis. As Homilias foram conduzidas pelo clérigo pessoal do papa, o sacerdote franciscano Raniero Cantalamessa. Ai cair da noite, milhares de peregrinos e turistas se reuniram no Coliseu de Roma, onde o papa carregou uma cruz ao começo e ao final da procissão, recordando as últimas horas na terra do filho de Deus. Na Semana Santa passada, pela primeira vez em quase 27 anos de papado, o agonizante João Paulo II participou da tradicional procissão iluminada por tochas. O pontífice observou o ritual pela televisão desde sua residência no Vaticano, enquanto as orações eram dirigidas pelo cardeal alemão Joseph Ratzinger, que um mês depois se converteu no novo Papa. Crucifixação voluntária Em outros lugares do mundo os católicos celebraram a morte de Jesus Cristo com outros rituais. Em San Pedro Cutud, nas Filipinas, ao menos sete fiéis voluntários foram cravados pelas mãos e pés em cruzes para relembrar o sacrifício do filho de Deus. O rito, admirado por turistas 70 quilômetros ao norte de Manila, não é aprovado pela igreja das Filipinas, a nação com maior população católica do Sul da Ásia. Segundo os organizadores, os crucificados fazem o sacrifício para se arrependerem dos pecados, rezar por um parente enfermo ou pagar uma promessa. Como precaução de infecções, as estacas são submergidas em álcool antes do rito.

Agencia Estado,

14 Abril 2006 | 14h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.