Fabio Frustaci / EFE / EPA
Fabio Frustaci / EFE / EPA

Papa repudia guerra na Ucrânia e pede que a paz seja buscada "seriamente"

O pontífice fez o apelo após rezar o Angelus neste domingo, 27

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2022 | 08h20

O Papa Francisco condenou, neste domingo, 27, a guerra na Ucrânia, repudiou os conflitos que “devastam” o presente e o futuro das sociedades e pediu aos governantes que negociem “seriamente” a paz.

"Mais de um mês se passou desde o início da invasão na Ucrânia, desta guerra cruel e sem sentido que, como qualquer guerra, é uma derrota para todos. Devemos repudiar a guerra", que obriga "pais e mães a enterrar seus crianças, que faz os homens matarem seus irmãos sem nunca tê-los visto" e em que "os poderosos decidem e os pobres morrem", disse Francisco, depois de rezar o Angelus.

O pontífice sustentou que a guerra é "um ato bárbaro e sacrílego" e que "não pode ser algo inevitável" ao qual as pessoas acabam se acostumando. E pediu aos "líderes políticos que reflitam" e entendam que "cada dia de guerra piora a situação de todos".

"Chega, parem, deponham suas armas, falem sério pela paz", concluiu.

A invasão da Ucrânia pela Rússia provocou em menos de trinta dias o deslocamento forçado de 6,5 milhões de pessoas e a fuga de 3,7 milhões de refugiados do país, segundo os últimos dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.