Ettore Ferrari/Efe
Ettore Ferrari/Efe

Papa se diz preocupado com crise política na Venezuela

Francisco diz seguir de perto situação no país e é elogiado por Maduro e Capriles

O Estado de S. Paulo,

21 de abril de 2013 | 18h50

VATICANO - O papa Francisco expressou neste domingo, 21, sua preocupação com os protestos que da semana passada na Venezuela depois da eleição do chavista Nicolás Maduro, que deixaram ao menos sete mortes. No sermão dominical na Praça São Pedro, no Vaticano, o primeiro pontífice latino-americano da história disse seguir com atenção e preocupação o que ocorre no país. Tanto Maduro quanto o líder da oposição Henrique Capriles agradeceram a Francisco pela mensagem.

"Acompanho a Venezuela com profunda preocupação, oração intensa e a esperança de que vá encontrar formas justas e pacíficas para superar as sérias dificuldades que o país atravessa", disse o papa, que pediu aos católicos venezuelanos que rezem e trabalhem pela paz. " Convido aos tomadores de decisão e responsáveis políticos a rechaçar com firmeza qualquer tipo de violência e estabelecer um diálogo com base na verdade."

Por meio de sua conta no Twitter, Maduro agradeceu à mensagem papal e disse também estar preocupado com a violência. "Com o senhor, papa, invocamos o Cristo Redentor e São Francisco de Assis para, com sua bênçãos, proteger o povo e estabelecer a paz", escreveu o chavista.

Capriles também usou a rede social para comentar o pronunciamento de Francisco. "Milhões de agradecimentos ao papa Francisco por sua menção à nossa Venezuela e à busca de soluções com base na verdade", afirmou Capriles.

Ao menos sete pessoas morreram e 61 ficaram feridas em protestos que tomaram a Venezuela após as eleições presidenciais entre os dias 15 e 16. Milhares ocuparam as ruas de Caracas e de outras cidades e entraram em confronto com a polícia. O governo responsabilizou partidários de Capriles pelas sete mortes, que seriam de militantes chavistas. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.