Reuers
Reuers

Papa se encontrou nos EUA com tabeliã que negou registro de casamento a gays

Reunião aconteceu na quinta-feira, 24, mas só foi revelada na noite de terça-feira pelo advogado de Kim Davis em entrevista à CBS News; porta-voz diz que Vaticano não comentará o caso

O Estado de S. Paulo

30 Setembro 2015 | 10h11

MOREHEAD, EUA - O papa Francisco se encontrado secretamente com uma tabeliã do Estado americano do Kentucky que foi presa por se recusar a emitir licenças matrimoniais para casais gays, e disse palavras de encorajamento, afirmou o advogado da mulher.

Mat Staver, advogado e fundador do Conselho da Liberdade, disse à CBS News na noite de terça-feira, 29, que o papa encontrou a tabeliã do condado de Rowan Kim Davis e seu marido na embaixada do Vaticano em Washington na quinta-feira passada, durante sua visita aos Estados Unidos.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, disse que não iria confirmar ou negar o relato e que não faria comentários. Isso é incomum para o Vaticano, que normalmente emite confirmações ou negações.

O relato do encontro aconteceu após Francisco amplamente evitar falar sobre casamentos entre pessoas do mesmo sexo durante sua visita histórica aos EUA, onde discursou para o Congresso, se encontrou com moradores de rua e pediu para o país receber imigrantes.

O papa, falando a repórteres durante voo de volta para casa após sua viagem de 10 dias por EUA e Cuba, disse que autoridades do governo têm o "direito humano" para recusar um trabalho caso sintam que isso viole sua consciência.

Staver, cuja cliente foi presa por cinco dias em setembro por se recusar a acatar uma ordem judicial para emitir licenças para casamentos de pessoas do mesmo sexo de acordo com a ordem da Suprema Corte, disse à CBS que sua equipe não quis revelar o encontro até o momento para evitar interferências com a mensagem do papa durante sua visita. "Não queríamos que a visita do papa fosse ofuscada por Kim Davis", disse Staver à emissora. 

De acordo com nota publicada no site da empresa de Staver, o papa teria "agradecido Kim por sua coragem" e dito para que ela "continue sendo forte". Francisco também pediu para que a tabeliã rezasse por ele e presenteou Kim e o marido com um rosário abençoado por ele.

"Fiquei honrada de encontrar o papa Francisco. De todas as pessoas, por quê eu?", declarou Kim ao site do Conselho da Liberdade. "Nunca pensei que encontraria o papa. Quem sou eu para ter essa rara oportunidade? Sou apenas uma tabeliã do Condado de Clerk que ama Jesus e deseja, do fundo do meu coração, servir a Ele." / EFE

Mais conteúdo sobre:
papa Francisco EUA Kim Davis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.