Papa volta a criticar estudos sobre clonagem humana

O papa João Paulo II voltou hoje a criticar os experimentos sobre clonagem humana e chamou a atenção sobre a "tentativa do homem de se apropriar das fontes da vida" com esses testes. Ele participou de uma videoconferência na abertura da 25.ª edição do congresso anualque o movimento católico Comunhão e Libertação realiza na cidade italiana de Rímini. O papa afirmou ser conhecido o sentimento depoder que o progresso tecnológico criou no ser humano e reconheceu que "é forte a tentação de se pensar que a obra do homem encontra em si mesma a justificativa para os própriosobjetivos". Em uma mensagem escrita, o pontífice ainda destacou que "o progresso não consiste em presumirmos ter chegado, mas emtentarmos continuamente chegar até a meta". Segundo ele, osresultados alcançados em vários âmbitos da ciência e datecnologia são considerados e defendidos às vezes comoaceitáveis "a priori", o que pode levar a pensar que "o que étecnicamente possível também é eticamente bom". Segundo esseponto de vista, o progresso poderia tornar-se um valor absoluto,"na própria fonte de cada valor". "A verdade e a justiça já nãoseriam instâncias superiores, critérios de julgamento aos quaisos humanos deveriam ater-se para orientar as ações queincentivam o progresso", disse João Paulo II.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.