Paquistanês assume autoria de atentados de 11 de Setembro

O paquistanês Khalid Sheikh Mohammed, acusado de ser o mentor dos ataques de 11 de Setembro nos EUA, assumiu a responsabilidade por esses e outros atentados, durante um interrogatório realizado na prisão de Guantánamo, em Cuba, e divulgado pelo Pentágono na quarta-feira, 14."Eu fui responsável pela operação de 11 de Setembro, de A a Z", disse Mohammed, que se declarou total ou parcialmente responsável por mais de 30 planos de atentados terroristas, incluindo um ataque ao World Trade Center, nos EUA, em 1993.Mohammed, que afirmou ter trabalhado para o líder da rede terrorista Al-Qaeda, Osama Bin Laden, foi capturado em março de 2003, no Paquistão, e é o principal dos 14 prisioneiros de "alto valor" transferidos recentemente de prisões secretas da CIA para Guantánamo.Durante a audiência, Mohammed foi considerado um "combatente inimigo" e ficou decidido que ele deve permanecer preso por tempo indeterminado. Após ter assumido sua participação nos atentados, o paquistanês deve ser acusado oficialmente e, depois, julgado em um tribunal especial em Guantánamo.Outros atentadosDe acordo com a transcrição realizada pelo Pentágono, Mohammed assumiu também estar por trás de planos para assassinar o papa João Paulo II e o ex-presidente americano Bill Clinton.Um plano para derrubar um avião por meio da explosão de uma bomba oculta nos sapatos e uma série de ataques a uma casa noturna em Bali, na Indonésia, também foram assumidos pelo paquistanês.Segundo o depoimento, que foi editado pelo Departamento de Defesa dos EUA, até mesmo o Big Ben e o Aeroporto de Heathrow, em Londres, faziam parte dos planos de Mohammed, que já foi considerado o terceiro principal líder da Al-Qaeda.Este texto foi alterado às 8h20 desta quinta-feira, 15, para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.