Paquistanês é executado nos EUA

Mir Aimal Kasi, de 38 anos, paquistanês que matou dois agentes da CIA diante da sede da agência em Langley, na Virgínia, em 1993, foi executado na noite desta quinta-feira no Estado da Virginia (EUA). Ele recebeu uma injeção letal no Centro Correcional de Greenville, em Jarat. Segundo o Centro, durante a execução, Kasi repetia que ?Não há mais Deus que Alá?. Horas antes da execução, a Corte Suprema de Justiça dos EUA recusou um recurso de apelação e o governador Mark R. Warner negou um pedido de clemência, justificando que Kasi ?não demonstrou nenhum remorso por seus atos.? Kasi matou com tiros de fuzil os agentes da CIA quando estavam parados em um semáforo em Mclean. Outros três homens ficaram feridos. Um forte esquema de segurança foi armado para garantir a segurança da execução. O governo norte-americano tinha alertado a população e as embaixadas para possíveis atos terroristas em represália aos EUA pela execução de Kasi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.