Paquistaneses destróem lojas por considerá-las antiislâmicas

Radicais atiraram bombas contra pelo menos 84 lojas de música e sapatos; 63 foram completamente destruídas

08 de setembro de 2007 | 12h56

Pelo menos 63 lojas de música e sapatos foram completamente destruídas neste sábado, 8, em explosões causadas por insurgentes no vale de Swat (norte), uma das áreas mais conflituosas do Paquistão, segundo testemunhas. Os radicais causaram pequenas explosões nas lojas de CDs e vídeos dos complexos comerciais de Mina Bazar e Ali Plaza, onde outras 21 lojas sofreram danos parciais, segundo testemunhas citadas pela agência ANI. Também foram afetados os escritórios de vários veículos de comunicação paquistaneses, como o jornal Daily Times, o canal de televisão Aaj TV e a agência de notícias Online, além de vários hotéis. Há poucos dias, os proprietários das lojas de vídeos e Cds receberam cartas anônimas para fechar seus estabelecimentos "antiislâmicos" e com ameaça de ataques com bombas, informou o Daily Times. Os proprietários dos centros de vídeo e música tinham começado a negociar com a Administração a abertura de negócios alternativos, mas os insurgentes colocaram bombas nas lojas antes do fim do ultimato.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.