Paquistaneses entram em confronto com militantes na fronteira Afegã

Militantes islâmicos dispararam foguetes e morteiros contra um posto de segurança em uma região tribal do Paquistão no começo desta segunda-feira, gerando confrontos com tropas que deixaram um rebelde ferido, informou um oficial da inteligência paquistanesa. Segundo a fonte, os confrontos começaram durante a madrugada no vilarejo de Hamrang, na área tribal do sul do Waziristão, fronteira com o Afeganistão. As tropas retaliaram com artilharia forçando os rebeldes a recuarem para montanhas próximas depois de uma hora de tiroteio. Os militantes levaram o companheiro ferido deixando manchas de sangue na cena dos combates. Nenhum soldado ficou ferido durante a ação e o posto de comando não foi atingido no ataque. Oficiais do Exército paquistanês afirmam que militantes islâmicos árabes, afegãos e da Ásia central, supostamente ligados à Al-Qaeda, estão operando nas regiões sul e norte do Waziristão. No domingo, forças de segurança trocaram tiros com homens armados em um bloqueio em uma estrada no norte do Waziristão deixando um soldados e três civis mortos. Na segunda-feira, dois militantes armados e mascarados coletaram cerca de 500 cópias de vários jornais de duas lojas da cidade de Mir Ali e atearam fogo, reclamando das matérias sobre os mujahedeen (guerreiros sagrados) que os classificavam como terroristas. Militantes também advertiram os jornalistas em panfletos distribuídos na cidade que eles enfrentariam "terríveis punições" se marcassem os combatentes como "terroristas extremistas ou canalhas", termo mais recente usado pelos oficiais para descrever os militantes. O norte do Waziristão tem presenciado uma série de confrontos entre tropas e rebeldes. A maioria dos combates é atribuída a militantes pró-Taleban. O Paquistão é um aliado chave dos Estados Unidos na guerra contra o terrorismo e já destacou cerca de 80 mil soldados para suas regiões tribais na fronteira com o Afeganistão para localizar os militantes.

Agencia Estado,

24 Abril 2006 | 15h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.