Paquistaneses fazem manifestações anti-EUA

Manifestantes paquistaneses disseram que não irão aceitar a decisão do governo de apoiar os Estados Unidos contra o terrorista Osama bin Laden, principal suspeito dos ataques ao World Trade Center e ao Pentágono, e o Afeganistão, país que abriga o suspeito."Se nosso governo conceder espaço aéreo ou terrestre para a América, nós vamos declarar uma jihad (guerra santa) contra o governo, disse Hafez Hussein Ahmed Madani, um dos organizadores do protesto.O protesto reuniu centenas de militantes islâmicos nas ruas de Peshawar, que fica próxima à fronteira com o Afeganistão. Além de gritarem "Longa vida a Osama bin Laden", os manifestantes queimaram bandeiras americanas e uma efígie do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush.O Afeganistão é um alvo provável dos ataques norte-americanos, pois Bin Laden permaneceu refugiado no país durante muito tempo.Em seu pronuciamento na noite de quarta-feira, o presidente paquistanês, Pervez Musharraf, disse que o Paquistão está passando por um "período muito sério" e que ele estava agindo de acordo com os melhores interesses para o Islã e para o país.Os manifestantes, porém, gritavam: "Amigos da América são traidores. O governo do Paquistão é um traidor do povo e de sua fé".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.