Paquistaneses fogem da fronteira com Índia

Um grande número de paquistaneses da Caxemira fugiram de suas casas na fronteira com a Índia nesta terça-feira devido à concentração de tropas e às questões fronteiriças que deixaram Índia e Paquistão em pé de guerra. Mas as tensões pareciam ter diminuído um pouco no primeiro dia do ano. A Índia permitiu que dois aviões paquistaneses ingressassem em seu espaço aéreo. Os dois países também deram continuidade à tradição de trocar listas com a localização de suas instalações nucleares na virada de ano. Mais de 150 pessoas abandonaram Rawalakot nesta terça-feira, o grupo mais recente de um êxodo de aproximadamente 19.000 pessoas que fugiram do setor indiano da Caxemira. Sardar Imtaiz Khan, morador de Sehra, nas proximidades da chamada "linha de controle", levou sua família na noite de ontem para fugir dos ataques. "A situação está cada vez pior", disse. "Preciso proteger minha família. Estamos em perigo." "Os dois exércitos estão prontos para a luta", comentou Mohamed Riaz Jan, morador da cidade fronteiriça de Hajira. "A guerra não é a solução. Mas, se ela é imposta a nós, temos de nos defender." Há informações sobre a incidência de tiroteios noturnos entre as tropas indianas e paquistanesas em Rawalakot e Kotli, na Caxemira. Segundo a polícia, não há informações imediatas sobre vítimas.

Agencia Estado,

01 Janeiro 2002 | 16h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.