Paquistaneses protestam contra saída de juiz do Supremo

Advogados boicotaram audiências, entraram em choque com a polícia e queimaram uma imagem do presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, nesta segunda-feira, 12, durante protestos generalizados contra o afastamento do presidente da Suprema Corte de Justiça do Paquistão, Iftikhar Mohammed Chaudhry.O afastamento do magistrado é amplamente visto como um teste à independência do judiciário num país dominado pelos militares desde o golpe palaciano liderado por Musharraf em 1999.Chaudhry, amplamente respeitado por investigar desvios de conduta e abusos dos direitos humanos atribuídos ao governo, foi afastado por Musharraf na última sexta-feira. Sem entrar em detalhes, a assessoria de imprensa do governo alegou que Musharraf havia recebido denúncias de abuso de autoridade contra Chaudhry.O ministro da Informação Mohammed Ali Durrani disse que um tribunal sediará um processo contra Chaudhry a partir de amanhã. A audiência será a portas fechadas, apesar da pressão para seja pública.Durrani também negou que Chaudhry estaria em regime de prisão domiciliar, mas nesta segunda-feira policiais eram vistos diante da residência do magistrado em Islamabad controlando a entrada e a saída de pessoas.Advogados protestaram nesta segunda-feira em diversas cidades paquistanesas. Além de Islamabad, eles também se manifestaram em Lahore, onde 20 participantes ficaram feridos e oito foram detidos, e em Karachi, a maior cidade do Paquistão.Chaudhry tem reputação de independência. Recentemente, ele pressionou o governo por informações sobre o paradeiro de dezenas de pessoas que estariam detidas em segredo pelos serviços secretos paquistaneses. No ano passado, ele suspendeu a privatização de uma siderúrgica estatal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.