Paquistão abre fogo contra helicópteros dos EUA

Força Aérea reprime aeronaves que invadiram espaço aéreo sem permissão e retornam para o Afeganistão

Agências internacionais,

15 de setembro de 2008 | 08h24

 As Forças Armadas paquistanesas atiraram contra helicópteros americanos que violaram o espaço aéreo do Paquistão, que foram obrigadas a voltar para o Afeganistão, no início desta segunda-feira, 15, segundo afirmaram fontes oficiais do governo de Islamabad. O incidente, o primeiro desde que os Estados Unidos anunciaram que permitirão que suas forças especiais em missão no Afeganistão realizem operações especiais sem pedir permissão ao governo paquistanês, aconteceu em Angor Adda, um povoado na região tribal no sul do Warizistão, onde as tropas dos EUA intensificaram operações militares neste mês. O chefe do Estado Maior americano, anunciou na semana passada que os comandos especiais no Afeganistão possuem permissão para cruzar a fronteira do país com o Paquistão para capturar e aniquilar terroristas da Al-Qaeda e do Taleban, que nos últimos meses intensificaram ataques em solo afegão. A decisão provocou um incidente diplomático entre os dois países depois que um comando americano promoveu um ataque sem prévia autorização, em que morreram 20 civis. O governo paquistanês advertiu que não vai tolerar esse tipo de incursão sem permissão de Ismalabad.  O chefe do Exército paquistanês, general Ashfaq Kayani, declarou na semana passada que defenderá a soberania e a integridade territorial do país e não permitirá que nenhuma força estrangeira promova operações dentro do Paquistão. O Waziristão, uma região montanhosa no norte do Paquistão, é um santuário de terroristas da Al-Qaeda e exilados que no passado governaram o Afeganistão com o Taleban. A CIA suspeita ainda que as aldeias da província paquistanesa sirvam de refúgio para o líder da rede terrorista Osama Bin Laden. Da região, insurgentes lançam constantes ataques contra o território afegão contra as tropas dos EUA e da Otan.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.